Aneb: Avaliação Nacional da Educação Básica - Par

Aneb: Avaliação Nacional da Educação Básica

Por Luísa França

31 de maio de 2017 Educação Brasileira

Aneb: Avaliação Nacional da Educação Básica

A sociedade brasileira conta hoje com diferentes avaliações para aferir a qualidade, a equidade e a eficiência da educação. Uma dessas avaliações é a Avaliação Nacional da Educação Básica — Aneb.

Juntamente com a Avaliação Nacional de Rendimento Escolar (Anresc, conhecida também como Prova Brasil) e a Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), a Aneb faz parte do Sistema Nacional da Educação Básica (Saeb), cujo objetivo é fornecer dados para o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Por meio das informações coletadas pelo Saeb, é possível formular políticas públicas mais precisas, bem como fornecer aos gestores e aos educadores documentos claros e confiáveis para que eles possam implementar projetos educacionais adequados às suas realidades.

Nesse sentido, conhecer essas ferramentas de avaliação é muito importante para que os diretores de escola possam incorporar as matrizes de referência nos projetos pedagógicos da instituição de ensino.

Em 2017, o Ministério da Educação anunciou mudanças significativas no Saeb:

“O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) do Ensino Médio passará a ser universal e não mais amostral para escolas públicas e privadas. Isso permitirá o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) por escola.” Maria Inês Fini, presidente do Inep (fonte: Portal do Inep)

Sendo assim, é fundamental se informar sobre as avaliações englobadas pelo Saeb. Para te ajudar, neste texto vamos esclarecer as principais dúvidas relacionadas à Aneb: como ela é aplicada, que disciplinas ela contempla e muito mais.

Quais as metas estabelecidas para a educação brasileira?

A intenção do Saeb é acompanhar, a cada dois anos, a qualidade da educação brasileira. Isso é feito confrontando-se os resultados bienais do Ideb com metas estabelecidas, de forma a avaliar se os objetivos traçados estão sendo efetivamente cumpridos. Busca-se, para isso, analisar diferentes estratos: o país como um todo, as unidades da federação, os municípios e as escolas.

ideb-resultados-aneb

A tabela acima mostra os resultados e as metas nacionais para o Ideb de 2015.

A proposta é que cada instância evolua numa velocidade capaz de fazer com que o Brasil, em 2022 — ano em que será comemorado o bicentenário da independência —, atinja o patamar educacional médio dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), considerado alto e satisfatório.

Saeb e Aneb são a mesma coisa?

A Aneb avalia alunos do 5º e do 9º anos do Ensino Fundamental da rede privada e das escolas rurais, e também da 3ª série do Ensino Médio, das redes pública e privada da área urbana.

Essa prova passou por diferentes ciclos de periodicidade até que, em 2005, a sua aplicação passou a ser bianual. Os alunos e escolas são selecionados por amostragem e abrangem as instituições que não atendem aos critérios da Anresc (Prova Brasil). Dessa forma, a Aneb foca nas gestões dos sistemas educacionais e não em experiências específicas, de forma que os resultados são apresentados por unidade da federação, por região e para o Brasil como um todo.

Em muitos canais, inclusive os oficiais, a Aneb recebe o nome de Saeb, por apresentarem características semelhantes. Entretanto, não se deve esquecer que o Saeb se refere a um sistema que compreende três avaliações - a Aneb, a Anresc e a ANA - e, portanto, é muito mais amplo do que a Aneb.

Qual a diferença entre a Aneb e a Prova Brasil?

A Aneb e a Prova Brasil (cujo nome oficial é Anresc — Avaliação Nacional do Rendimento Escolar) são ferramentas complementares que utilizam os mesmos instrumentos avaliativos.

A grande diferença entre elas, pelo menos até a edição de 2015, refere-se ao público-alvo ao qual cada avaliação se destina, bem como às possibilidades distintas da utilização de seus resultados.

A Prova Brasil contempla alunos do 5º e do 9º anos do Ensino Fundamental das escolas públicas com mais de vinte alunos. A participação das instituições de ensino é censitária e os resultados podem ser calculados por escola.

Já a Aneb, em suas edições anteriores, destinou-se ao 5º e ao 9º anos de escolas públicas que possuíam entre 10 e 19 alunos. Além disso, estudantes da 3ª série do Ensino Médio de instituições públicas com mais de 10 alunos também podiam ser submetidos ao exame. No caso das privadas, todas as escolas com mais de dez estudantes também estavam sujeitas à prova.

Entretanto, a participação na Aneb era amostral, ou seja, somente parte dos alunos participava do exame. Por isso, não era possível calcular os resultados por instituição de ensino a partir da Aneb.

saeb-aneb-prova-brasil

*Até 2015. No ano de 2017, sofrerá alterações, como a própria presidente do Inep informou durante a coletiva de imprensa sobre as mudanças no ENEM de 2017.

Isso vai mudar: conforme as mudanças anunciadas pelo MEC em 2017, a partir deste ano todos os estudantes do último ano do Ensino Médio serão avaliados pelo Saeb, o que permitirá o resultado individual do Ideb por escola.

Essa universalização da avaliação está em consonância com a medida de não publicar os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) por escola. Na percepção do MEC, o Saeb é um instrumento muito mais eficaz para aferir os índices de qualidade das instituições de ensino. Dessa forma, o Saeb firma-se como ferramenta para avaliação das e escolas e sistemas de ensino, enquanto o ENEM restringe-se à avaliação dos alunos.

A expectativa do Ministério da Educação é de que a edição deste ano seja a maior da história do Saeb. Isso porque, conforme definido pela Portaria 564, divulgada no dia 19 de abril de 2017, o Saeb agora se aplica a todas as escolas públicas (para as quais será obrigatório) e particulares (para as quais será facultativo, mediante inscrição da escola). Está prevista a participação de 7,5 milhões de estudantes no Saeb, dos quais 2,4 milhões são alunos do Ensino Médio que farão o Aneb.

Quem organiza a Aneb?

Todas as avaliações de aprendizagem promovidas pelo MEC são coordenadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Com a Aneb isso não é diferente.

Assim, essa avaliação também é organizada pelo Inep e aplicada a cada dois anos nas escolas de todo o país. É importante esclarecer, no entanto, que o Instituto não realiza todo o processo sozinho. Pelo contrário, ele recebe assessoria especializada que o ajuda a construir uma grande base de dados para a confecção de seus exames.

Quais disciplinas são contempladas na avaliação?

Na Aneb, são abordados temas relativos ao domínio da Matemática e da Língua Portuguesa. A modalidade de respostas é a de múltipla-escolha. Desse modo, para cada questão, são apresentadas quatro alternativas, sendo apenas uma a correta e as demais distratores.

Um aspecto importante que todo gestor deve considerar é o fato de todo o conteúdo exigido na Aneb fazer parte das matrizes de referência estipuladas pelo próprio Inep.

Assim, fica mais fácil entender quais os descritores exigidos em cada avaliação.

Qual o foco em Língua Portuguesa?

No caso da Língua Portuguesa, o foco principal da avaliação está na capacidade de leitura e interpretação de textos por parte dos alunos. Para isso, as matrizes de referência contemplam descritores divididos em seis tópicos principais:

I) Procedimentos de Leitura;

II) Implicações do suporte, do gênero e/ou enunciador na compreensão do texto;

III) Relação entre textos;

IV) Coerência e coesão no processamento do texto;

V) Relações entre recursos expressivos e efeitos de sentido;

VI) Variação linguística.

Desse modo, busca-se avaliar competências diversas, como a capacidade de localizar informações em um texto, de identificar seu tema principal, de interpretar e relacionar textos verbais e visuais, entre outras.

Qual o foco em Matemática?

No caso da Matemática, a matriz de referência estipula como foco principal a capacidade do aluno em resolver problemas lógicos. Nesse caso, a avaliação é construída a partir de descritores reunidos em quatro temas prioritários:

I) Espaço e forma;

II) Grandezas e Medidas;

III) Número e Operações / Álgebra e Funções;

IV) Tratamento da Informação.

Assim, os alunos são avaliados pela capacidade de reconhecer relações de proporcionalidade, de resolver problemas que envolvam porcentagem e equações, de calcular a probabilidade de um evento, de entender informações descritas em gráficos e tabelas, entre outras.

Como preparar a sua escola para o exame?

Um aspecto muito relevante para os gestores é que os resultados da Aneb não possuem natureza classificatória ou eliminatória para os alunos.

Por isso, a melhor forma de preparar a sua escola para o exame é proporcionando uma educação de qualidade, que será refletida na avaliação.

Nesse ponto, é importante conversar com os estudantes e seus responsáveis sobre a grande importância da prova. Como ela não traz impactos no boletim e não está ligada à aprovação no vestibular, há sempre o risco da falta de engajamento e de motivação.

Dessa forma, um grande desafio dos educadores é despertar no aluno a consciência da importância do Saeb não só para a escola, mas para o próprio estudante. Isso pode ser feito, por exemplo, mostrando-se aos alunos por que um bom resultado do colégio pode ajudá-los ao longo da vida - resultado esse totalmente ligado à seriedade com a qual os alunos fazem as provas. Assim, desenvolvem-se os sensos de pertencimento e responsabilidade, que motivam o estudante a dar o melhor de si.

Por isso, trabalhe a conscientização da comunidade escolar para que todos possam entender a relevância do processo avaliativo e de como ele ajuda a melhorar a educação em diversas instâncias. Afinal, os resultados da avaliação são indicadores da qualidade dos métodos de ensino implementados nas escolas, e portanto são instrumentos importantes usados inclusive para guiar políticas públicas. Além disso, trata-se de um aspecto que certamente será levado em consideração pelos pais na hora de escolher onde matricular seus filhos.

Qual a importância da universalização?

A universalização do Saeb a partir deste ano permitirá que todas as instituições de ensino possuam um indicador de avaliação próprio, o Ideb.

Assim, gestores, professores, alunos e responsáveis poderão conhecer o desempenho de todas as escolas do país.

Além de poder comparar os índices com outras instituições de igual porte, os cidadãos também poderão acompanhar a evolução histórica do desempenho das escolas em outras edições das avaliações. Isso permite visualizar se os projetos implementados estão obtendo êxito ou não.

A comparação interescolar possibilita ainda um intenso movimento de trocas de boas práticas pedagógicas para o desenvolvimento de toda uma cidade ou região, o que também é importante para que os órgãos governamentais avaliem e planejem suas políticas públicas de ensino.

Ademais, os gestores escolares terão em suas mãos dados mais precisos para fazer o planejamento e a execução dos Projetos Político Pedagógicos das escolas. A expectativa é que o portal Devolutivas Pedagógicas das Avaliações de Larga Escala do Inep forneça informações ainda mais robustas sobre a educação brasileira.

Desse modo, o gestor vai contar com uma ampliação de suas referências, tendo mais ferramentas para preparar as aulas e o ambiente escolar e caminhando para uma melhoria constante dos processos de aprendizagem dos alunos.

Agora que você já descobriu todos os detalhes sobre a Aneb, é hora de refletir:

A sua escola está preparada para o Saeb?


Fale com um
especialista

Converse com um especialista e saiba como a par pode ajudar sua escola a alcançar resultados pedagógicos cada vez melhores.