Por que usar o Ciclo de Gestão do Ensino no planejamento escolar?

Por que usar o Ciclo de Gestão do Ensino no planejamento escolar?

Por Luísa França

16 de abr de 2018 Gestão Escolar

É consenso que o planejamento escolar é extremamente importante para promover a melhoria contínua do desempenho dos seus alunos e da qualidade do ensino da sua instituição. Além disso, é fato que esse planejamento é essencial para a constante evolução da equipe docente.

Construir esse planejamento é trabalhoso e exige muito cuidado, ainda que a elaboração desse documento já faça parte da rotina do gestor escolar. A parte mais delicada, porém, está em tirar tudo do papel e partir para a execução.

A grande dificuldade é que não basta apenas realizar as tarefas propostas. Para que os resultados esperados sejam realmente alcançados, além de executar o plano, é necessário medir a eficácia das ações planejadas e acompanhar de perto os trabalhos para que as intervenções pedagógicas cabíveis sejam aplicadas nos momentos corretos. Assim, um planejamento ainda mais assertivo poderá ser pensado para o ano seguinte.

Se você é gestor escolar e já percebeu que é sempre mais fácil planejar do que executar, este artigo é para você. Às vezes as coisas não saem como o planejado e o motivo é simples: não adianta olhar apenas para uma parte do processo, planejando ações, sem perceber que a obtenção de bons resultados depende de ir além.

Por isso, neste artigo você vai ler sobre o Ciclo de Gestão do Ensino (CGE), uma metodologia que ajuda a instituição a cumprir o que foi planejado e assim alcançar os objetivos propostos e uma qualidade pedagógica cada vez melhor.

O que é o planejamento escolar?

Antes de entender como o Ciclo de Gestão de Ensino pode contribuir com a execução do planejamento escolar, é válido reforçar o que de fato é o planejamento escolar. Trata-se um plano de ação elaborado de forma periódica com o objetivo de definir as atividades que serão realizadas pela escola ao longo do ano letivo.

Normalmente, além de estabelecer os objetivos que a instituição pretende alcançar, esse planejamento contempla o contexto da escola e o que será ensinado aos alunos, ou seja, o currículo programado para cada série. Tudo isso levando em consideração o Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola e a recém homologada Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Um bom planejamento é aquele que leva em consideração a realidade da escola, é construído em conjunto com todos impactados pelas suas ações e que considera o histórico do que já foi feito nos anos anteriores. E o mais importante: o bom planejamento é criado com o objetivo de melhorar a qualidade de ensino e impulsionar os resultados pedagógicos.

Baixe o e-book: O que não pode faltar no planejamento escolar?

O que é o Ciclo de Gestão do Ensino (CGE)?

O Ciclo de Gestão de Ensino (CGE) é uma metodologia que têm como objetivo a melhoria continuada do ensino-aprendizagem. Ele foi desenvolvido a partir de processos de melhoria contínua e foi adaptado para a realidade da educação a fim de ajudar escolas em uma gestão de qualidade para alcançar bons resultados junto aos alunos.

O Ciclo de Gestão do Ensino funciona como um fio condutor que amarra as ações planejadas e mostra como está a execução daquilo o que foi pensado no início do ano. Para isso, o CGE compreende quatro etapas:

Planejamento

Esta etapa do ciclo compreende a escolha das prioridades da escola, o desenvolvimento de estratégias de ensino, a estruturação de projetos e da formação de professores – ou seja, a elaboração do planejamento escolar para o ano letivo. Aqui vai uma dica: sempre determine os prazos exatos para a execução das ações e o responsável por cada projeto, e faça um levantamento das ferramentas necessárias para o sucesso da estratégia adotada.

Desenvolvimento

Uma vez traçado o planejamento, a escola deve colocar as suas estratégias em prática ao longo do ano letivo para alcançar seus objetivos, desenvolvendo os projetos que foram programados e executando as ações previstas. Lembrando que tudo o que foi executado deve ser registrado e preferencialmente compartilhado com toda a equipe envolvida.

Avaliação contínua

Muitas vezes negligenciada, esta etapa fornece dados muito ricos e que revelam se os processos pedagógicos e o aprendizado estão sendo efetivos. Assim, é possível acompanhar a aplicação das estratégias e verificar se estão de fato funcionando, se devem ser replanejadas ou se uma intervenção específica é necessária.

Ou seja, para que a escola garanta o aprendizado e não apenas transmita um conhecimento, é necessário avaliar de forma clara e contínua os resultados obtidos.

É indicado que a etapa de avaliação contemple ainda a visão de uma Assessoria Pedagógica especializada, que pode ajudar na análise do que foi feito ao longo do Desenvolvimento e apoiar a escola para um bom entendimento dos relatórios.

Intervenção pedagógica

Com base nos resultados apontados pela etapa de Avaliação Contínua, a escola deve estruturar as intervenções pedagógicas necessárias para calibrar ações e readequar o planejamento. Isso porque, ao longo do ano, a realidade da escola pode mudar e algum imprevisto pode acontecer, fazendo com que, eventualmente, ajustes sejam necessários para a boa execução do que foi planejado.

Como usar o CGE para colocar o planejamento escolar em prática?

Para começar a implementar um CGE na sua escola, quatro dicas são de grande valia:

1- Defina, na etapa de Planejamento, qual será o grande foco ou objetivo do colégio ao longo do ano letivo. Ainda que a escola tenha vários pontos relevantes que podem ser trabalhados ao mesmo tempo, o mais importante é manter o foco e não tentar resolver tudo ao mesmo tempo. Lembre-se: Roma não foi construída em um único dia.

2- Trace dois ou três planos de ação majoritários visando a alcançar esse grande objetivo. Mais uma vez, existem muitas possibilidades para se seguir e a escolha de dois ou três planos de ação claros ajuda a prevenir eventuais desvios ao longo da jornada.

3- É muito válido contemplar diferentes pontos de vista no processo, portanto envolva toda a equipe pedagógica na construção dos planos de ação. Assim, além de reunir boas ideias de quem conhece bem a realidade da escola, será mais fácil contar com o engajamento da equipe quando os membros participaram de todo o processo.

4- Para cada plano de ação, estipule um “dono” dentro da escola. Isso não significa que nem todos precisam estar a bordo, pelo contrário. A função dessa pessoa será muito mais de transmitir as informações e envolver os demais do que centralizar as ações em si mesmo. Tendo uma pessoa para agendar reuniões, acompanhar os trabalhos e facilitar a comunicação, a execução dos planos de ação se torna mais natural e tranquila.
Uma vez que os planos de ação foram bem traçados e discutidos, executá-los significa dar enormes passos rumo ao objetivo da escola daquele ano.

Por que usar o CGE no planejamento escolar?

Como foi apresentado ao longo do artigo, o CGE permite um controle muito maior das ações a serem executadas e um acompanhamento bem próximo daquelas que já estão em andamento. Ademais, ele tem papel fundamental para fazer com que o planejamento avance a cada ano e esteja cada dia mais ligado à realidade da escola.

Outro ponto importante é que quando toda a equipe se envolve em todas as etapas, o grupo se sente mais motivado e impelido a cumprir e a avaliar o que foi planejado no início do ano.

E então, entendeu como o CGE tem muito a contribuir com a constante evolução da sua escola e dos seus alunos?

Baixe o infográfico abaixo e veja um exemplo prático de aplicação do CGE na realidade da escola:

Baixe o infográfico: Como usar o Ciclo de Gestão do Ensino na prática

planejamento-escolar-com-cge


Fale com um
especialista

Converse com um especialista e saiba como a par pode ajudar sua escola a alcançar resultados pedagógicos cada vez melhores.